top of page

Como promover a inovação na prática?

Fabio Merlin, educador e mantenedor da Rede Prosper, ressalta que a comunidade escolar precisa estar conectada com as tendências mundiais


A inovação é fundamental em qualquer área, sobretudo na educação. No pós-pandemia, a competitividade do mercado e a necessidade de atender às demandas dos estudantes e de seus familiares tornaram-se ainda mais nítidas, exigindo, para o sucesso das instituições, o investimento em melhorias nesse setor. E, para fazer isso de forma significativa, é essencial comunicar bem todos os processos e realizá-los no melhor momento: agora.


“Com o investimento de recursos em inovação, sejam eles de tempo, dinheiro e o que mais for necessários, especialmente energia e vontade, podemos melhorar o aprendizado dos estudantes, prepará-los para o futuro, dar acesso a novas tecnologias e permitir que aconteça a melhoria do ensino com mais eficiência. Acredito que estamos no melhor momento para fazer isso, já que a pandemia acelerou os processos e descortinou uma necessidade de vivências e pensamentos inovadores”, diz Fabio Merlin, educador e mantenedor da Rede Prosper.


Segundo o especialista, é necessário investir na implementação de novas tecnologias, metodologias de ensino inovadoras, novas formas de avaliação e gerenciamento escolar. Outro ponto importante é a preparação de maneira definitiva para personalização do aprendizado, aprendizagem online, desenvolvimento de competências digitais, cuidado e bem-estar integral (oferecendo suporte emocional e mental) dos alunos e suas famílias, além da capacitação e educação para habilidades práticas, como solução de problemas, colaboração e comunicação eficaz.


Como promover inovações significativas para a instituição de ensino

Para garantir a relevância das transformações, Merlin conta que é fundamental conhecer bem a instituição: “O ponto mais crucial para promover inovações significativas é agir de maneira coerente com o propósito e a entrega de valor do negócio. Não podemos acelerar um processo de inovações que descole do DNA da escola. Temos que cuidar para que seja um fluxo gradual e contínuo para que os resultados e a mudança sejam percebidos e os resultados apareçam.”


Segundo o mantenedor, as instituições que desejam inovar – ou já fazem isso – precisam incluir os seguintes elementos em seu mindset:


  • experimentações;

  • tolerância ao erro honesto;

  • atenção para identificar uma necessidade real do mercado ou da sociedade;

  • estimular a criatividade e o pensamento fora da caixa;

  • investir em pesquisa e desenvolvimento;

  • ser receptivo a feedbacks;

  • ter uma visão de longo prazo;

  • estar atento às tendências e mudanças no mercado.


Com esses pontos colocados em prática, é possível entregar aos estudantes, às famílias e à sociedade uma educação de qualidade, sintonizada com o mundo. Alcançar esse objetivo seria impossível sem pensar em melhorar e inovar diariamente.


Como garantir que as inovações aconteçam no cotidiano da instituição?

“A primeira palavra que me vem à cabeça é ENGAJAMENTO. Estruturar bons processos de comunicação para que essas inovações sejam comunicadas de maneira clara e transparente para professores, alunos, famílias, funcionários e sociedade. Além de escolher canais eficientes para que essas mensagens sejam distribuídas”, aponta Fabio Merlin.


Para isso, é essencial treinar todos os envolvidos, assegurando que eles entendam como as inovações funcionam e como podem ser aplicadas em seu trabalho diário. Outro ponto importante é estar aberto ao feedback da aplicação dessas inovações. Além disso, o processo de engajar as equipes depende, essencialmente, da atuação dos líderes – que devem agir como exemplo para os demais e conversar sobre as transformações.


Quais os benefícios da inovação educacional?

Se for bem aplicada e gerida nas escolas, a inovação traz diversos impactos positivos. Merlin cita alguns efeitos que podem ser vistos nas instituições:


  • melhoria na qualidade e nos resultados do ensino;

  • desenvolvimento de habilidades essenciais;

  • acesso a mais recursos de aprendizado;

  • mais flexibilidade no aprendizado;

  • melhorias significativas na empregabilidade;

  • redução dos custos;

  • maiores resultados de sustentabilidade financeira das instituições públicas e privadas.


Por fim, o palestrante aponta uma esperança quanto ao futuro do ensino nacional: “Colocar a lupa em dados seguros, questionar com a intenção de quebrar de paradigmas e agir de maneira respeitosa e inovadora pode ser um caminho para colhermos bons frutos na educação brasileira dos próximos anos.”


Fabio Merlin falou sobre o tema “Capturando o futuro para o presente: fazendo a inovação acontecer agora” no GEduc 2023.

14 visualizações0 comentário

Kommentarer


bottom of page